UNIVERSIDADE POPULAR ABERTA DO III MILÊNIO

“El Brujo” Homero Icaza Sanchez, o Primeiro Analista de Pesquisa da TV Globo

In Entrevistas on agosto 12, 2009 at 2:58 am

POR MARCELO GUIMARÃES

Universitário ADM/ UFRJ

El Brujo Homero Icaza Sanchez. O apelido foi dado pelo escritor Rubem Fonseca

Homero Icaza Sanchez. O apelido de "El Brujo" foi dado pelo escritor Rubem Fonseca

Primeiro analista de pesquisa da TV Globo, contratado por José Bonifácio Oliveira Sobrinho, o Boni, então superintendente de Produção e Programação, Homero Icaza Sanchez, mais conhecido como “El Brujo”, aos seus 84 anos de idade, afirma: “Analista de pesquisa não existe, e nunca existiu no Brasil”.

Para Homero, até hoje não se desenvolveu no Brasil a cadeira acadêmica de análise de pesquisa, que demanda uma visão universitária multidisciplinar. Para Sanchez as principais matérias básicas a serem estudadas deveriam ser: Sociologia, Estatística, Psicologia Social, Introdução a Comunicação de Massa e Opinião Pública. “Você não pode ser analista de pesquisa sem saber sociologia. Esta base é fundamental” enfatizou Homero, que considera a seleção criteriosa de uma amostra, imprescindível para o sucesso de uma pesquisa.

Homero conta que o apelido de “El Brujo” foi dado pelo escritor Rubem Fonseca, numa reunião de amigos, que ocorria periodicamente, para discutir sobre música e cantores brasileiros, em que participavam Nelson Motta, Artur da Távola, Zuenir Ventura, dentre outros. Recorda Icaza Sanchez: “Numa reunião eu interrompi a discussão e comecei a falar: ‘Eu acredito na sociologia….’ Rubem Fonseca virou-se para mim, em tom de brincadeira, e disse: “Cala a boca, porque você é bruxo. A partir daí o apelido ficou”.

O apelido de “Bruxo”, popularizado por suas brilhantes análises da expectativa do público transformadas em novas grades de programação tem a sua razão de ser. A novela das 18 horas, o programa a Grande Família, o Globo Repórter, entre outros, tiveram seu sucesso diretamente ligados às suas análises. Sánchez passou a decifrar e a humanizar as pesquisas de audiência da Rede Globo. Antes de começar a trabalhar na emissora, as análises eram feitas com base na pós-exibição dos programas. Ele sugeriu que se passasse a fazer pesquisas sobre tendências de comportamento, hábitos e expectativas do telespectador, levando em consideração as variáveis de sexo, idade, grau de instrução, local de moradia e religião. Foi a partir dessas considerações que ele passou a fazer o cruzamento entre os critérios da pesquisa socioeconômica, já tradicional, e o da sociocultural. Assim, verificou que um mesmo indivíduo pode ser, economicamente, da classe C, mas se comportar e ter desejos que caracterizam a classe A. Esse seria o caminho para adequar a programação às expectativas dos telespectadores. Não se trataria, portanto, de uma pesquisa apenas de audiência, mas também de comportamento.

Homero considera José Bonifácio Oliveira Sobrinho, o Boni, um gênio da Televisão

Homero considera José Bonifácio Oliveira Sobrinho, o Boni, um gênio da Televisão

Este panamenho, nascido em 10 de janeiro de 1925, veio para o Brasil em 1943, após ganhar uma bolsa de estudos do Itamaraty junto com outros dois companheiros: Jose Perigault e Virgilio Javier Garcia. Formou-se em direito pela UFRJ e, ao mesmo tempo, fez um curso de especialização em sociologia na FGV Rio.

Foi Perigault quem lhe indicou ao Boni, considerado por Homero um “gênio”e um dos “pais” da televisão do Brasil, junto com Joe Wallach e Walter Clarck, para humanizar as pesquisas encomendadas ao IBOPE, muito grandes e cheia de números. O seu papel foi humanizá-las, interpretá-las e explicá-las para um público leigo no assunto.  Neste momento, em 1971, surge o departamento de análise e pesquisa da Rede Globo, com Homero sendo o primeiro diretor. Antes, já havia trabalhado no jornal O Dia, na revista Realidade, na Rádio Nacional e junto do apresentador Chacrinha na TV Tupi.

José Perigault, que já era um dos diretores do IBOPE, junto com Paulo de Tarso Montenegro, Guilherme Torres e Hairton Santos, desde 1950, quando o fundador Auricélio Penteado deixou a direção, fornecia as pesquisas de caráter não confidencial para que Sanchez pudesse treinar o que havia aprendido em sua formação, analisando-as.

Homero considera José Perigault um pioneiro, tendo sido quem introduziu a Pesquisa Política e aplicou Sociologia à Pesquisa de Opinião Pública no Brasil; além de ter realizado outras diversas pesquisas sobre o comportamento sexual, e sobre o perfil do carioca, do paulista, entre outras. Numa época em que ninguém acreditava em pesquisa de opinião pública, e os fregueses que as compravam escondiam os resultados.

Anúncios
  1. belo exemplar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: